PORTUGAL


BICHA

Em Portugal, o substantivo composto “bicha-de-sete-cabeças” é uma referência à Hidra de Lerna. Figura mitológica, essa serpente tinha sete cabeças; cortada uma delas, nasciam outras duas. Com o sentido de “problema difícil”, os brasileiros usam esse vocábulo apenas com uma alteração: BICHO-de-sete-cabeças.

COMIDA

Um prato bastante apreciado em Portugal é a sopa de grelos. Estes, quanto ao sentido original, são brotos de leguminosas.

FATO

Para os portugueses, esse termo nomeia o que se chama no Brasil de terno (vestuário). Apesar do significado (trio), o terno é formado hoje apenas por paletó e calça. A terceira peça era o colete. 

FILMES

Sugestão de longas-metragens em Portugal: “O homem que veio do futuro” (Não é “De volta para o futuro”.) e “Assalto ao arranha-céus”. No Brasil, sugerem-se: “O planeta dos macacos” e “Duro de matar”, respectivamente.

IDIOTA

Essa palavra foi empregada durante muitos anos em Portugal com o sentido de “leigo”. Assim, médico prático (não formado) era chamado de médico idiota; em muitas aldeias, havia o juiz idiota, apenas com experiência e moralidade.

“PALAVRÃO”

Dedada e pica, você pode precisar delas se estiver em Portugal. Isso se houver necessidade de impressão digital ou de injeção.

PIMENTA-DO-REINO

De qual reino? Portugal. Essa pimenta foi trazida para o Brasil pelos portugueses. Embora originária da Índia, acreditava-se que ela vinha do “reino” de Portugal.

PINGA

Tanto aqui quanto lá, pinga nomeia também aguardente. Já quando se referir a uma pequena quantidade de água, aqui se diz “pingo d’água”; lá, “pinga d’água”.

PROVÉRBIO

Associados ao dia a dia, estes ditos populares são de origem portuguesa: “É melhor merecer sem ter, do que ter sem merecer”; “Quanto maior a dor, maior o alívio”.

SEXOS

No Brasil, homens compram “camisinha” (preservativo); em Portugal, pediriam “durex”. Quanto a “elas”, aqui pagam “calcinha”; lá, receberiam “cueca”.